Tecnologia para melhorar a gestão nos centros de saúde

Tecnologia para melhorar a gestão nos centos de saúde
Redação
maio28/ 2016

Eles são perseverantes, característica fundamental a quem quer empreender. Tentaram entrar no Lemonade em Belo Horizonte, foram selecionados para a banca de avaliação, mas por morarem em Uberlândia tiveram que adiar esse sonho. E os trabalhos continuaram. A equipe da Piron Health deu andamento ao desenvolvimento do negócio e não perdeu a oportunidade quando o Lemonade aterrissou em Uberlândia. Não só foram selecionados para fazer parte deste time como se tornaram destaque das squeeze 2 e 3, ficando em primeiro lugar no ranking dessas avaliações semanais.

O negócio deles visa solucionar um problema na área da saúde para ajudar os hospitais a melhorar os seus processos e gestão. O sistema desenvolvido pela Piron Health é capaz de armazenar informações, analisá-las e tratá-las, apontando possíveis falhas e ajudando os centros de saúde a resolvê-los de forma rápida e direcionada. Também é capaz de monitorar o paciente desde a sua entrada no centro de saúde. Além disso, a Piron Health está desenvolvendo um hardware de monitoramento de meio ambiente. Os dois produtos integrados possibilitam resultados ainda mais eficientes.

Tudo começou há aproximadamente um ano e meio, quando, tomando aulas de empreendedorismo, os sócios decidiram se enveredar pela área da saúde. Atualmente, a equipe é composta por Iago Alves Pereira, 21 e Lorrane Maria, 20, estudantes de engenharia biomédica, Yan Salim, 21, que cursa engenharia mecânica , Raphael Jorge Silva, 21, da ciência da computação e da administração e Yasmim Jorge, 22, estudante de engenharia elétrica. Sem se preocupar com a validação da dor e pesquisa de mercado, os integrantes da Piron Health começaram a desenvolver um produto, que, posteriormente, perceberam ser bastante semelhante às soluções existentes. A partir da entrada no Lemonade, desde os meetups, começaram a receber feedbacks importantes que deram o start na preocupação com o desenvolvimento do produto com um diferencial.

Foi quando começaram a fazer pesquisas mais realistas, desenvolvendo funcionalidades para o sistema, tornando-o diferenciado. Os empreendedores realizaram pesquisa de mercado com 8 diretores de hospitais, 21 médicos, 35 pacientes e 18 enfermeiras, ainda nas primeiras semanas do Lemonade. Testaram o Mínimo Produto Viável (MVP) em dois hospitais, sendo que 6 médicos e 38 pacientes experimentaram a solução.

Para Iago Alves, o Lemonade é uma grande oportunidade de aprender a ser mais focado. “Para mim o Lemonade ensina a empreender, ensina um pouco de como manter o seu negócio organizado, lembrando sempre que isso daqui não é um hobby”, diz. Já para o Yan Salim, o programa de pré-aceleração mostrou a importância de validar a dor de mercado e verificar se realmente a solução proposta atende às demandas. “Compreender o mercado que nós estamos entrando, pesquisar do que ele realmente precisa”, acrescenta. Raphael Jorge acredita que é muito importante manter o foco no negócio e na solução por ele apresentada. “Ter foco no que a gente quer realmente fazer. No tempo que passamos no Lemonade até agora fizemos mais coisas do que nesse primeiro ano e meio de Piron Health”, finaliza.

Apoiadores