Seringas inteligentes se autodestroem em caso de reutilização

Redação
julho21/ 2015

Muitas doenças são ocasionadas devido à reutilização de seringas, que pelo menos na teoria, teriam que ser descartáveis. Nesse contexto, Marc Koska, fundador da Star Syringe, desenvolveu uma seringa autodestrutiva que quebra o próprio êmbolo na tentativa de ser reutilizada. A seringa inteligente, como foi batizada, tem duas partes especificamente desenvolvidas. Um pequeno mecanismo de válvula é moldado na parte frontal do êmbolo e um dispositivo semelhante a um anel é colocado dentro da parede do cilindro. Uma vez que a injeção é administrada, os dos se juntam e qualquer força excessiva faz com que o êmbolo se parta em dois. Isso, claro, previne a reutilização da seringa.

Para se ter uma ideia sobre o quão eficiente pode ser a invenção, um relatório de 2014 da Organização Mundial de Saúde (OMS) estimou que a reutilização de seringas em contextos médicos infectou apenas em 2010, um total de 33.800 pessoas com o vírus HIV.  Outras 315  foram infectadas com o da hepatite C e mais 1,7 milhões de pessoas com o vírus da hepatite B.

Fonte: Motherboard

Apoiadores