Santa Rita do Sapucaí se torna um dos principais hubs de startups da América Latina

Redação
fevereiro01/ 2017

Localizada aos pés da Serra da Mantiqueira, no sul de Minas Gerais, a pequena Santa Rita do Sapucaí é uma cidade singular. Com apenas 40 mil habitantes, é também conhecida como Vale da Eletrônica, polo empreendedor em tecnologia com uma concentração de empresas do ramo que supera qualquer outra cidade da América Latina: quatro empreendimentos para cada mil habitantes. O vale mineiro coleciona casos de sucesso, como o desenvolvimento da urna eletrônica usada nas eleições brasileiras, do chip do passaporte eletrônico, do sistema brasileiro de TV Digital, além de potências que nasceram e cresceram ali, como a DL, que hoje lidera o mercado de tablets no Brasil, na frente de Apple e Samsung, com um produto frugal para a classe C e D. No total, são 160 empresas de tecnologia, entre startups e indústrias, com um faturamento de mais de 3 bilhões de Reais no último ano, segundo dados do Sindicato das Indústrias do Vale da Eletrônica (Sindvel). A força é tamanha, que o montante é o dobro do que faturou no mesmo ano o Porto Digital, de Recife, um dos hubs mais conceituados do país. O histórico de desenvolvimento e produção de hardware, entretanto, definiu um rumo distinto para as startups do Vale da Eletrônica.

A cena de Santa Rita contempla projetos de serviços digitais, mas em sua maioria está ligada a negócios que se baseiam em hardware. “É um polo de alta tecnologia”, afirma o dinamarquês Jesper Rhode, coordenador da escola de inovação Hyper Island no Brasil. “Historicamente o país tem um viés muito forte para software e programação. Com a Internet das Coisas e a impressora 3D, entretanto, a prototipagem rápida para desenvolver hardware e dispositivos está ganhando importância na economia digital. Santa Rita está no miolo desta revolução no Brasil”, conta Rhodes. “Várias startups estão abordando inteligência artificial, inclusive deep learning para análise de imagens, colocando o Brasil no mapa global do desenvolvimento de soluções para o futuro digital”, destaca. Para Fábio Veras, da Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG), o desenvolvimento de hardware é habilidade singular. “Startups e indústrias farão de Santa Rita a região com maior valor agregado de inovação e valor financeiro por metro quadrado de produção do Brasil nos próximos cinco anos”, complementa.

Empresas com potencial não faltam para exemplificar tais afirmações. O empreendedor Marcos David, da startup Dágora, cita nomes. Uma delas é a Das Coisas, que criou uma plataforma inovadora para IoT (Internet das Coisas) e vem trabalhando em projetos escaláveis com grandes multinacionais para levar conectividade a qualquer objeto. Outra é a Spark Telecom, que desenvolveu um sistema de conectividade para organizar o estacionamento de carros em espaços públicos e privados, já em teste em algumas cidades, além da BitVale, responsável por um caixa eletrônico de Bitcoin com enfoque na usabilidade para democratizar a moeda virtual no Brasil. David também ressalta a Photon Tic, que utiliza de IoT e deep learning para ajudar a monitorar e economizar no uso de energia elétrica, além da Inova GS, startup que oferece um sistema para que estudantes possam fazer estágio à distância. Também se destacam a 4intelligence, plataforma de Big Data para tomada de decisões empresariais, e a própria Dágora, que oferece uma plataforma de aprendizado coletivo.

“Esse movimento não começou de uma hora para outra”, conta João Rubens Costa, do Inatel. “A história peculiar do polo teve início com uma senhora muito rica que apostou em uma ideia futurística para a época e deu origem à primeira escola de eletrônica da América Latina. Foi o ponto inicial disso tudo, em meados do século passado. Nos anos 60, foram criados o Inatel, uma potência em engenharia, e a FAI, com ensino de qualidade em gestão e computação. Isso sem contar as cidades vizinhas, como Pouso Alegre e Itajubá, que formam programadores, publicitários e designers, e tem em Santa Rita seu principal mercado de trabalho. Em seguida, vieram as incubadoras e a consolidação do polo de industrias de alta tecnologia. Foi quando o Vale da Eletrônica ganhou notoriedade internacional”, ressalta.

“Todos esses programas pioneiros se mantêm em constante reinvenção, e hoje se misturam a eventos e programas disruptivos em empreendedorismo e inovação”, completa Costa. O Startup Hub Vale da Eletrônica é um deles. A comunidade é inspirada no grupo de desenvolvedores do Google e no do Facebook, ambos presentes em Santa Rita. O Hub vem unindo não somente as próprias startups, mas todos os demais protagonistas do polo, como a academia, a indústria e o poder público, para trocar conhecimento, realizar eventos e mentorias, formar parcerias estratégicas e, principalmente, atrair investidores. Carlos Henrique Vilela, executivo da Leucotron, empresa pioneira no Vale, destaca outros movimentos de alto impacto, como o Cidade Criativa, Cidade Feliz, plataforma colaborativa de lançamento para novos projetos criativos, a Inatel Business School, que segue uma linha global de núcleos de gestão, e o Hack Town, festival de inovação e empreendedorismo reconhecido com um dos mais inovadores do país.

Outro destaque é o projeto de geração de startups do Inatel, que envolve feiras de projetos estudantis, oficinas de Design Thinking, estudos dos Global Goals da Organização das Nações Unidas (ONU) para identificar problemas relevantes que possam ser solucionados por meio da tecnologia, hackathons, o Crowdworking criado em parceria com a Wayra e a Ericsson, além de constantes edições do Startup Weekend. João Rubens Costa ressalta que outro ponto que vem ajudando a impulsionar o ecossistema empreendedor do Vale da Eletrônica é a relação próxima com ex-alunos do Inatel que hoje ocupam cargos estratégicos nas principais empresas de tecnologia do mundo. “Estamos falando do CEO do AirBnB Brasil, CEO da Ericsson LatAm, de altos executivos do Facebook, do Google e da Qualcomm, entre vários outros, que reconhecem o Inatel e estão sempre de olho no que rola em Santa Rita”, lembra Costa.

“Com a proximidade que temos da capital paulista (cerca de 200 km), talentos de sobra, custo de vida baixo em relação aos grandes centros, qualidade de vida de interior, belezas naturais, e todos esses programas de alto nível”, destaca, “fica difícil segurar o Vale da Eletrônica. É por isso que nossa cena de startups vem não só crescendo, mas ganhando mais relevância e atenção a cada dia que passa”, finaliza Costa.

Fonte: Terra

Apoiadores