Plástico biodegradável criado pela Embrapa se decompõe em 30 dias

Plástico biodegradável criado pela Embrapa se decompõe em 30 dias
Redação
junho18/ 2016

Sabe aquela história de que o plástico leva no mínimo 100 anos para se decompor na natureza? Com um material produzido à base de açúcares e desenvolvido pela Embrapa Instrumentação localizada em São Carlos, a 238 km de São Paulo, esse tempo cai para no máximo 30 dias.

Sem utilizar aditivos químicos, o tempo para a produção desse novo material também foi reduzido. Antes era necessário ao menos 24 horas para a produção do tradicional material sintético, mas com a nova técnica isso acontece em um processo de apenas 6 minutos. São películas finas, resistentes e biodegradáveis feitas à base de substâncias naturais provenientes da agricultura e da agroindústria brasileira.

Esses materiais atóxicos poderão em breve ser usados para transportar compras de supermercados ou para empacotar biscoitos, chocolates, balas, entre outros produtos alimentícios. O produto é resultado de uma pesquisa desenvolvida no Laboratório de Nanotecnologia da Embrapa.

De acordo com o engenheiro de alimentos Francys Moreira, pós-doutorando e responsável pela pesquisa, essa técnica verde, batizada de casting contínuo, é possível fabricar folhas de plástico biodegradável em larga escala, com a transformação de formulações aquosas de substâncias naturais (como o amido e o colágeno) em películas finas de alta transparência.

O processo casting contínuo é inédito no mundo na preparação desse tipo de materiais. Conforme explica Moreira, há um potencial enorme para o emprego da técnica na produção de filmes plásticos biodegradáveis para embalagens de alimentos a partir de materiais naturais ou coprodutos do agronegócio brasileiro.

O amido é apontado como uma promessa no setor mundial de plásticos biodegradáveis. Além da biodegradabilidade e do baixo custo de produção, o amido pode ser utilizado para produção de sacos de lixo e outros produtos descartáveis.

O material produzido pela Embrapa já despertou o interesse de algumas empresas e a expectativa é de que esteja disponível no mercado em dois anos.

 

Fonte: UOL

Apoiadores