O que a Orientação Profissional tem a ver com o empreendedorismo?

Redação
novembro18/ 2015

Por Cínthia Demaria

Estive recentemente trabalhando com um grupo de jovens que lidam diariamente com a angústia da escolha da profissão. Eles estão naquela fase entre os 16 e 18 anos, quando são obrigados a definir uma carreira (de sucesso) com tão pouca idade, sabe? E ai deles se escolherem errado, porque a pressão social é a única certeza que ele tem daqui pra frente.

São vários critérios que devem ser levados em conta, segundo a nossa sociedade, pela seguinte ordem hierárquica: valor financeiro da carreira, visibilidade da profissão, aceitação dos pais, aprovação dos amigos, mercado de trabalho, para então só depois avaliar se é realmente aquela profissão que faz encher os olhos. Trocando em miúdos, seria como escolher dentre engenharia, direito e medicina, qual delas se tem mais aptidão.

A escolha profissional não é orientada pelos sonhos, mas pela opinião de vários agentes (pais, escola, amigos, imprensa, mercado de trabalho etc) que acabam sendo determinantes na vida do sujeito, ele gostando ou não daquilo que faz.

Você, empreendedor, se identificou em algum momento com essa descrição? Aposto que sim. Empreender é escolher uma carreira incerta, repleta de obstáculos sociais e opiniões contrárias que dizem que você não vai ganhar dinheiro com isso. É basicamente na mesma ordem: ‘pode não dar certo, ‘pode não dar dinheiro’, seus pais não investiram em você para ‘brincar de ser empresário’ e por aí vai… Se fracassar então, todo mundo canta junto: “Viu, não te falei?”. É exatamente a mesma coisa com o jovem que insiste em seguir uma carreira artística, por exemplo, e se culpa eternamente por não ser como os amigos médicos.

E o que a gente faz com essas duas situações? A gente vai, com medo de quebrar a cara, mas vai assim mesmo, porque como diria o poeta “Se não sou eu, quem mais vai decidir o que é bom pra mim?”. Isso é tão sério que tem gente que passa a vida inteira trabalhando no que não gosta, mas permanece naquilo ou porque dá dinheiro ou porque está realizando um sonho dos pais, e não seu. Pobre desses, que nunca vão saber o que é o real significado da frase do Confúcio “trabalhe com o que você ama e nunca mais precisará trabalhar na vida”.

E se alguém criticar o empreendedor por viver de sonhos, encha-se de orgulho para responder: sim! Vivo com o mesmo sonho do jovem de 16 anos que decidiu seguir uma carreira por amor. Sucesso social é consequência, dinheiro se conquista com a qualidade do que você faz, mas o sucesso e a realização pessoal é algo que só você pode trazer para si mesmo.

Pensem nisso!

Apoiadores