O Lemonade está no TOP 20 das maiores aceleradoras do mundo

Redação
agosto04/ 2017

 

Com um olhar exclusivo para os programas de aceleração em todo o mundo, o relatório do Global Accelerator Report visa explicar como a indústria desse segmento está evoluindo e como ela afeta os ecossistemas de inicialização de tecnologias locais e regionais.

O diagnóstico elegeu 20 aceleradoras do mundo inteiro e pela primeira vez o Brasil emplacou um programa no ranking TOP 20 das maiores aceleradoras do mundo. 579 aceleradoras foram analisadas e o Lemonade foi o único programa programa indicado no Brasil e conseguiu uma posição de destaque. A iniciativa criada pela Fundepar e co executado pelo TechmallSEBRAE MG, SEDETECS e Fapemig, ocupou a posição de 17º lugar no ranking mundial. Resultado de 4 edições rodadas em 2016 e 116 startups aceleradas. Nesses dois anos de atuação, o Lemonade já contou com 9 edições e nesse período, quando cerca de  800 empreendedores tiveram contato com a metodologia do programa.

O Brasil, em 2015, apareceu no ranking mundial em 8° lugar com 297 startups. Em 2016 o Brasil subiu para 6° lugar com 491 startups. De acordo com o  Global Accelerator Report 2016, quase 25% das startups aceleradas no Brasil em 2016 foram impulsionadas pelo Lemonade.

O Lemonade tem como objetivo trabalhar com equipes que querem transformar suas ideias em negócios e tecnologia, e tem alcançado o propósito com sucesso. Diversos casos de sucessos que captaram rodadas de investimento, participaram de programas internacionais e tem perspectivas de crescimento acelerado, fazem parte do portfólio do programa.

Uma das startups que passaram pelo Lemonade foi a LinCare, que tem como missão promover melhorias na saúde e no bem-estar através da integração entre os familiares e entes queridos da melhor idade. Após participar do Lemonade, a equipe foi vencedora do Desafio Pfizer como melhor startup na área da saúde do Brasil em 2015. No mesmo ano foram investidos pelo Grupo Sete e, também, selecionados para a 15º geração do Start-Up Chile. Representaram o Brasil na Aging 2.0 que aconteceu na Califórnia e, receberam investimento da Fundepar.

Além dela, empresas como a Residuall, Vulpi, Kornez, Reaver, CaptaMoney, Gamelyst e muitas outras fizeram parte da aceleração e estão hoje, em seus mercados específicos, evoluindo cada vez mais.

 

Apoiadores