Novidade em Minas: o Movimento Ímpar

Larissa Borges
junho02/ 2017

Inspirado no movimento de cidades em transição que nasceu em 2005, na Inglaterra, nasce em Belo Horizonte o Movimento Ímpar que tem o objetivo de desenvolver líderes criativos e realizar transformações no mundo. É clichê dizer que as pessoas e os negócios mudaram, mas é a realidade que estamos vivenciando. É preciso novas soluções, sejam para problemas antigos ou recentes. Por isso, o Ímpar é um movimento de transição.

Mas, como Ímpar surgiu? Com Marcelle Xavier e Raoni Pereira. Eles trabalhavam junto em uma empresa de empreendedorismo e inovação na capital mineira e começaram a investigar sobre futurismo e novos movimentos. Em entrevista ao Minas Inova, eles falam mais sobre o projeto. Confira:

Minas Inova (MI) – Como surgiu a ideia de criar o Movimento Ímpar?

Raoni Pereira (RP) – Eu e a Marcelle Xavier trabalhávamos juntos em uma empresa de empreendedorismo e inovação de Belo Horizonte, quando começamos a investigar sobre futurismo e novos movimentos. Assim, decidimos aprofundar no estudo de metodologias relacionadas a esse momento de mudanças profundas e estruturais na sociedade, esse momento de transição. Partimos do princípio de que estamos passando por uma transição para novos modelos socioeconômicos, logo precisamos de novas habilidades e novas estruturas técnico econômicas.

Por isso, decidimos aprofundar nossa pesquisa. Passamos uma temporada na Europa estudando novas metodologias e conhecemos o movimento “Cidades em Transição”, que nasceu na Inglaterra, para lidar com esse momento que nos encontramos e hoje já envolve mais de 2000 cidades do mundo. Retornando ao Brasil, decidimos trazer esse movimento para o contexto brasileiro e aplicar aos centros urbanos. O Movimento Ímpar, portanto, faz parte da rede global, e nosso objetivo é disseminar novas metodologias de liderança criativa para esse momento de transição ao passo que desenvolvemos com nossos grupos projetos de transição socioeconômica nas cidades.

 

MI – Qual o propósito do Movimento?

RP – O propósito do Movimento é disseminar habilidades e ferramentas para navegar em um mundo em transição, ao passo que criamos projetos que efetivamente transformam as nossas estruturas na cidade.

 

MI – O que é a jornada da transição?

RP – Um processo de uma semana de Liderança Criativa para Transição, na qual abordamos as mais novas metodologias para desenvolver a capacidade de liderança e criatividade em um mundo em profunda e constante transformação.

 

MI – Como a inovação está inserida no Movimento Ímpar?

RP – A inovação nos move, e acreditamos que o desenvolvimento tecnológico e o aumento exponencial da complexidade dos problemas do mundo se refletem em um contexto que clama por novas soluções. Nos últimos anos se falou muito em inovação e empreendedorismo, mas agora é necessário dar um passo adiante para realmente usarmos inovação para de fato resolvermos os grandes desafios da sociedade.

 

MI – Inovação e criatividade são conceitos que andam juntos. Como criar e inovar em um mundo em transição?

RP – Transição envolve mudanças complexas e estruturais, por isso estamos lidando com problemas cada vez mais complexos. Logo, algumas formas de encarar esses problemas mudam. Por exemplo, não buscamos resolver problemas e sim identificar necessidades e realizar ligações sistêmicas para criar soluções que chegam ao cerne das questões. E não buscamos resolver essas questões. Uma vez que encaramos sistemas complexos entendemos que não há soluções e sim intervenções que reconfiguram os problemas, e pedem por novas intervenções.

 

MI – Quais os benefícios de fazer parte desse movimento?

RP – Nosso movimento proporciona uma jornada de transição, na qual os participantes não só aprendem novas habilidades e ferramentas, como também aprendem sobre como criar suas próprias jornadas de transformação. Trabalhamos com novas habilidades de liderança (criação e gestão de rede, comunicação empática, novo olhar para mobilizar recursos, gestão de projetos criativos e colaborativos e realização de reuniões produtivas), criatividade (processos para acessar a inteligência subjetiva, gerar pensamento independente e profundo, criar projetos, prototipar e intervir no mundo) e visões de transição para aumentar a conexão consigo e com o outro, entender o momento e a evolução da humanidade, estudos de nova economia e movimentos de transformação.

 

MI – Como o Movimento Ímpar pode contribuir para o segmento de inovação mineiro?

RP – Nosso objetivo é potencializar os resultados de iniciativas de inovação ao oferecermos ferramentas que auxiliem na consistência dos projetos, e direcionamos os esforços para transformação efetiva das nossas cidades.

Apoiadores