Jogo quer cativar pela simpatia e desafio

Téo Scalioni
maio07/ 2015

 

Quando o vietnamita Nguyen Ha Dong anunciou que tiraria do ar o Flappy Bird, jogo gratuito para smartphones e tablets, pareceu ser uma ação de marketing. Como uma pessoa sã iria dar fim a algo que lhe rendia, apenas com publicidade, cerca de US$ 50 mil por dia? No entanto, até o presente momento, o jovem manteve a palavra, e o jogo não está disponível para baixar.

Mas, se por um lado, o game deixou órfãos pelo mundo, por outro, abriu as portas para programadores buscarem desenvolver jogos similares de olho nesse gap deixado no mercado. É o caso do Cave Bat, criado por desenvolvedores mineiros com o objetivo de cativar não apenas fãs do Flappy Bird, como também novos usuários que nem sequer conheceram o jogo do passarinho.

 “O mercado de games ainda está engatinhando no Brasil. Por mais que existam muitos jogos, há pessoas que nem descobriram o seu“, afirma Tiago Raposo, programador da Ninja Rock Games e um dos fundadores do Cave Bat.

O game disponibilizado em Android e IOS mostra um simpático morceguinho voando por uma caverna cheia de obstáculo. Esse voo, controlado por toques no celular, vai ficando mais difícil à medida que a pessoa vai avançando no jogo. 

“Os feedbacks estão sendo positivos e quem joga quer cada vez ir mais adiante”, garante Raposo, salientando que, em três semanas, o Cave Bat teve cerca de mil instalações. “Esperamos que esse número aumente  quando começarmos uma divulgação mais agressiva”, observa Raposo, que prevê para breve o primeiro campeonato de Cave Bat.

Google Play: https://play.google.com/store/apps/details?id=com.NinjaRockGames.CaveBat

IOS: https://itunes.apple.com/us/app/cave-bat-free/id891794578?l=pt&ls=1&mt=8

Apoiadores