Mais facilidade na manutenção industrial

Mais facilidade na manutenção industrial
Larissa Borges
abril13/ 2016

 

O segmento da indústria é muito tradicional e inovar na área exige determinação, além de entender muito bem todos os nichos, nos quais podem surgir oportunidades. Foi assim que Rafael Cardoso Dias e seus sócios viram a chance de criar a Virturian. A plataforma facilita a manutenção industrial nas empresas, reduzindo as paradas de processos ocasionadas por falhas nos equipamentos. Para isso, usa softwares de análises de Big Data industrial. Em entrevista ao nosso portal, Rafael Cardoso conta como funciona a plataforma, as expectativas com o mercado e com a aceleração no programa do MGTI.

 

 1 – Como funciona a plataforma?

A Virturian previne quebras de equipamentos industriais e paradas inesperadas de produção. Nosso foco é monitorar a condição do principal equipamento de todas as indústrias, o motor elétrico, utilizando dados presentes na rede de automação para diagnosticar e prover prognósticos sobre as causas das falhas antes que elas ocorram, reduzindo as paradas inesperadas e aumentando os indicadores industriais. Apontamos quais equipamentos, quando e por quê irão quebrar.

Na fábrica só instalamos um software que adquire os dados do sistema de automação. Ele os transmite para um datacenter externo programado para extrair em tempo real diversas informações. Aqui é importante frisar que só são transmitidos o conjunto mínimo de dados necessários, em conexão segura e para um datacenter com elevado nível de segurança e confiabilidade. O conjunto organizado das informações extraídas formam um conhecimento refinado sobre a condição do equipamento que é disponibilizado em uma aplicação web inteligente que não só exibe, mas notifica no momento oportuno às pessoas certas. Chamamos essa plataforma de Virturian Sense Maker.

2 – Qual o diferencial da startup?

O principal diferencial da Virturian é a redução de custos com manutenção, com uma implantação rápida e simples, proporcionados pela tecnologia inovadora utilizada. Nosso software analisa de forma não invasiva, isto é, sem necessidade de instalação de hardware, gerando inteligência com predições e detecções precisas de quebras e paradas de produção. Isso permite maior controle da manutenção e maior retorno sobre os ativos. Destaca-se a escalabilidade do produto com potencial de utilização global e um mercado muito grande. Além disso, o modelo de negócio que, no âmbito industrial ainda é raro, facilita a adesão e reduz o custo de aquisição. O cliente assina o serviço, ao invés de comprar um produto por milhões de reais. Somos um analytics de big data gerada por equipamentos industriais.

3 – Quais as expectativas com o mercado?

Nosso mercado é conhecido como Gestão de Ativos e Monitoramento da Condição, mundialmente como AMCM. Foi um mercado de US$ 10 bilhões em 2013 e há previsão de se tornar um mercado de US$ 100 bilhões em 2025. É uma tendência inevitável para indústria soluções baseadas em Internet das Coisas e Big Data e, nessa onda, nosso mercado está sendo recriado para o que está sendo chamado de “Industry 4.0”. Por isso, existem grandes players trabalhando para aumentar sua fatia nesse mercado, como GE e Siemens. No entanto, em todo mercado que está passando por um processo de reinvenção surgem inúmeras oportunidades para empresas jovens e inovadoras como a Virturian, que miram em um nicho – nosso caso monitoramento da condição de motores elétricos – e oferecem, em diversos aspectos, soluções superiores que os fornecedores tradicionais. No fim disso tudo, tenho certeza, que o maior beneficiário será a indústria que acessará maiores níveis de qualidade, flexibilidade, produtividade, eficiência e retorno sobre os ativos.

4 – Como é inovar na indústria? Por que esse segmento precisa de novas soluções?

A indústria é um setor conservador, avesso a riscos e muito racional. Ela calcula e quer saber os ganhos antes de comprar, por isso, inovar na indústria necessita buscar parceiros que permitam construir cases. Estes parceiros podem ser fornecedores da indústria que tenham algum reconhecimento no setor ou, no melhor dos casos, industrias que estejam buscando a solução para o problema que se propõe resolver. Por mais que pareça óbvio isso, não é possível inovar na indústria sem a indústria, deve-se chegar a ela de algum meio e se relacionar ativamente, pois na prática é muito diferente.

Mesmo sendo um setor conservador, a indústria sabe que precisa inovar e está a todo instante buscando soluções. Ela compete em um mercado global e luta para reduzir custos e aumentar a qualidade. Se diferenciar é muito difícil e, poucos centavos a mais no custo de produção de um produto, pode ser sua carta de falência. E os desafios não param por aí… Existem questões ambientais, de logística, de energia, sociais, de respeito à legislação nacional e internacional e, a que eu considero hoje uma das mais críticas, atender com flexibilidade a demanda de clientes finais que mudam a preferência cada vez mais rápido.

5 – Quais os desafios de empreender no mercado?

No caso da Virturian, nosso principal desafio ainda é o conservadorismo da indústria. Ela compra de um jeito tradicional e deseja consumir quase sempre de forma personalizada. Mas investimos em conhecer melhor o cliente e traçamos modelos que nos ajudam a conceber uma solução escalável e com menor custo de implantação. Fora isso, tem a questão da supervalorização das soluções vendidas por marcas consagradas. A questão financeira também é crítica, mas sabemos que hoje não é mais um desafio acessar capital de risco. Porém, sabemos também que dá trabalho acessar um investidor que tenha a ver com seu negócio. Estamos trabalhando duro em busca de um bom investidor.

6 – A startup foi selecionada para participar do MGTI. Qual a importância desse passo para a startup? O que espera ao participar do programa? É a primeira vez que a startup é acelerada?

Passamos bastante tempo desenvolvendo nosso produto com nosso parceiro e iniciamos recentemente nossa fase comercial. A seleção pelo MGTI nos brinda no momento correto com um time de consultores que nos ajudarão a acertar nossa estratégia e desenvolver a estrutura adequada para atingir as metas esperadas para este ano. Acreditamos que o MGTI nos potencializará com acompanhamento – é muito fácil perder tempo nas fases iniciais em decisões e atividades elementares –, com rede, com o desenvolvimento de liderança e habilidades gerenciais da nossa equipe.

Essa não é nossa primeira aceleração. A aceleração do Startup Farm nos possibilitou encontrar e validar o problema que hoje solucionamos para nossos clientes. Ainda hoje temos um acompanhamento de perto da Farm, que está sempre atenta a nossos movimentos nos dando dicas valiosas, oferecendo espaço em eventos e rede.

Apoiadores