A gameficação para motivar o funcionário

Redação
agosto16/ 2016

Por Ronaldo Gazel

Uma empresa acostumada a distribuir benefícios para sua equipe a partir de sorteio (diante da incapacidade de mensurar engajamento de forma realista) decide criar um sistema de pontuação genérico para seus funcionários, estipulando pontos para determinadas atitudes, considerando um “funcionário modelo”.

Por exemplo: se você contribuir com o blog da empresa, você ganharia pontos. Por que isso seria um erro? Porque falta sensibilidade para os perfis dos jogadores, colocando-os todos num mesmo balaio na hora de analisar a reputação. Algumas pessoas, por exemplo, não se sentem à vontade para escrever e ficariam frustradas com essa regra. Isso é um erro clássico no game design, o desbalanceamento das contrapartidas e do level design. Vejamos como seria uma distribuição de pontos justa, de uma forma simplificada: ao invés de utilizarmos uma pontuação genérica, teríamos uma pontuação inteligente a ponto de aproveitar o tipo de interação e engajamento diferentes em cada perfil.

Vamos ilustrar essa situação com um exemplo concreto, em uma situação cotidiana. Vamos supor que surgiu uma dúvida na equipe e, com ela, a necessidade de se fazer uma pesquisa sobre o tema. Para que todos os perfis de jogadores possam se sentir envolvidos nesse desafio, ao invés de pontos genéricos, criam-se pontos especiais, por exemplo:

– pontos de habilidade em pesquisa: o jogador possui as skills diretamente ligadas à atividade, com grande eficiência em seus métodos. Porém, não necessariamente possui capacidade de networking.

– pontos de cooperação: o usuário pode não ter habilidade de pesquisa mas possui uma ótima capacidade socializadora, conseguindo fazer conexões que facilitem a pesquisa, além de uma grande disponibilidade para auxiliar no que for necessário à concretude da ação.

– pontos de disrupção: o jogador não tem nem habilidade em pesquisa e muito menos de socialização/networking. Porém, suas ideias são precisas e “fora da caixa”, geralmente levando a pesquisa para outros rumos.

 

Apoiadores