Fazer melhor o que já existe ou inventar algo novo?

Fazer melhor o que já existe ou inventar algo novo?
Redação
janeiro15/ 2016

Pesquisas mostram que os próximos anos serão caracterizados pela presença no mercado de uma geração de consumidores que, em comparação com as anteriores, ganha menos, possui mais gastos fixos e é muito atenta à qualidade. Para o mercado imobiliário, isso pode ser um grande desafio. Para novos empreendedores, uma oportunidade de inovar em um segmento tão tradicional.

Olivier Grinda (se você está com a sensação de que já viu esse nome antes, está correto. Ele é o irmão mais novo de Fabrice Grinda, o fundador da OLX) resolveu pegar a experiência adquirida com umastartupde venda online de calçados, partir para Miami e fundar aHome61, startup que está ganhando um destaque considerável no mercado imobiliário local.

A premissa do negócio é simples: tornar o processo de compra, venda e locação de imóveis mais transparente em relação ao trabalho do corretor e mais eficiente para os clientes. A startup investe no treinamento da equipe de corretores (que pode ser própria ou comissionada) e conta com um sistema como o do Uber, que permite ao usuário avaliar o serviço prestado.

Além disso, automatização é palavra de ordem. Os corretores recebem um iPad que serve como ferramenta central para as atividades: histórico de cada imóvel, informações de mercado, agenda sincronizada e serviço de assinatura digital, que permite aos clientes assinar contratos na hora e no local.

Aí você pode estar pensando: nada muito revolucionário, não é mesmo? Está correto, mas a palavra chave aqui não é “revolução”, é “evolução”. A nova geração de consumidores vai se sentir muito mais confortável com o serviço de assinatura digital do que em enviar contratos por fax – o atual padrão do mercado, por exemplo. Além disso, as práticas dastartup reduzem custos e tempo, tanto dos corretores quanto dos clientes, otimizando a produtividade de todos os envolvidos.

As práticas propostas pela Home61 parecem dar resultado: a média de transações da startup é de 2.5 por mês, enquanto a do mercado é de 0.9. O segredo? De acordo com Olivier Grinda, o segredo é não ter como objetivo mudar o modelo de negócios, mas sim alterar a maneira de como ele é executado.

 

Fonte: Startup Sebrae

Apoiadores