FAPEMIG apoia a 4ª rodada do SEED

Redação
março02/ 2017

 

Além de financiar pesquisas e projetos desenvolvidos em universidades, a Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG) também apoia programas de inovação voltados à aceleração de startups, como o Seed – Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development. As inscrições para a 4ª rodada do programa, que vai selecionar 40 startups nacionais e internacionais, podem ser feitas até hoje (02 de março). Acesse o edital completo.

Os investimentos nesse edital ultrapassam R$6 milhões, sendo parte dos recursos da FAPEMIG, por meio de Convênio de Cooperação Técnica e Orçamentária firmado com o Estado de Minas Gerais, por intermédio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior– Sedectes. Para o presidente da FAPEMIG, Evaldo Vilela, as startups representam um novo e importante meio para transpor os muros dos laboratórios de pesquisa e levar o conhecimento e a tecnologia ao mercado. “São elas que viabilizam o uso e a aplicação das patentes e criam um ambiente de formação de talentos e empreendedores que pensam em soluções inovadoras”, afirma.

Para Vilela, apesar de o financiamento de pesquisas ter crescido no Brasil nos últimos anos, ainda há dificuldades de transformar esse conhecimento em produto. “É nessa lacuna que o Seed mostra a sua relevância, através de um programa de aceleração que contribui para a importante missão de transformar conhecimento e tecnologias geradas na universidade em produtos e processos para a sociedade. É um programa muito interessante porque trabalha com jovens, especialmente estudantes da pós-graduação, que são cheios de sonhos e ideias. Atualmente, o ensino dado aos jovens não estimula o protagonismo e o empreendedorismo”, afirma.

Para o presidente da Fundação, Minas tem muitos casos de sucesso de transferência de tecnologia para a geração de empregos e renda, o que demonstra que sabemos ligar ciência e economia em benefício da sociedade. Mas ainda faltam mecanismos efetivos que possam fazer desta prática uma mania nacional, a exemplo do que ocorre em outros países.

Universidade e Mercado

O químico e empreendedor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Rochel Lago, conhece os vários lados dessa realidade. Ele é pesquisador do Departamento de Química da UFMG, participou da criação de uma empresa de tecnologia ambiental que foi vendida para dois grupos e ainda participa como mentor e palestrante de outros programas de aceleração: do Lemonade – programa de pré-aceleração de startups realizado pela Fundepar e Fundep, com co-realização da FAPEMIG; e do BioStartup Lab, da Biominas.

O pesquisador e sua equipe foram responsáveis por criar o supressor de poeira, tecnologia ambiental idealizada a partir de um problema ocasionado pelo transporte de cargas de minério. O grupo percebeu que, durante o transporte de pilhas desse material, uma poeira muito final é produzida, contaminando o meio ambiente, prejudicando a saúde das pessoas das comunidades próximas e ainda gerando uma perda de cerca de 5% do minério transportado para as empresas. Eles criaram uma substância química feita a partir da glicerina do biodiesel, usada para produzir o supressor de poeira, que evita a dissipação do material.

A tecnologia foi desenvolvida junto com uma empresa, saindo da escala de bancada na Universidade e chegando à escala industrial na empresa. A FAPEMIG apoiou esse projeto por meio de uma bolsa de mestre na organização. Lá, o supressor foi aperfeiçoado e chegou-se ao modelo de supressor de poeira de 2ª geração. Essa patente foi licenciada para a empresa H2O e hoje ela produz um reator de 10 mil litros que está em funcionamento. Para Rochel, os programas de aceleração funcionam como um ponto de partida. “Esses jovens precisam ser estimulados a acreditar nos sonhos, em coisas que podem ser desenvolvidas com criatividade para mudar a vida das pessoas. É isso que fortalece e alimenta o ecossistema de startups”, acredita.

Fonte: Fapemig

Apoiadores