Empreendedores brasileiros lançam câmera inteligente

Redação
agosto08/ 2015

Os brasileiros Bruno Gregory, Marcelo Do Rio e Márcio Saito se conheceram no Vale do Silício e se uniram para desenvolver a Graava, uma câmera de ação prática com sensores especiais. O objetivo dos sócios é competir com a GoPro (empresa californiana de produção de câmeras digitais) e outras gigantes do mercado como  a Sony e a Kodak. Para isso, o produto criado pela startup conta com um algoritmo que deixa as câmeras com capacidade de realizar ações de maneira automática.

A ideia do trio surgiu da dificuldade de se editar os vídeos gravados com câmeras esportivas convencionais, seja por falta de conhecimento ou de tempo. O algoritmo, desenvolvido para diferenciar a Graava das câmeras convencionais, utiliza-se de informações geradas pelos diversos sensores que o equipamento possui. Imagens, sons, geolocalização e até frequência de batimentos cardíacos, em sincronia, por exemplo, com relógios e pulseiras que realizam essas funções, são utilizados para avaliar, em tese, momentos de maior importância. Dessa forma, a câmera é capaz de “dar notas” aos trechos gravados pelo aparelho e selecionar as melhores partes. Paisagens coloridas e movimentadas, por exemplo, recebem uma “nota” maior que outras mais monótonas. Momentos de maior velocidade, idem. E assim por diante.

O usuário também é capaz de incluir partes não selecionadas e aperfeiçoar as edições, caso alguma parte específica que deseja não tenha sido pontuada no filme. O produto também inova ao abolir o uso de fios. A recarga da bateria é feita por indução eletromagnética e a transferência de dados via wi-fi. Todas as edições de vídeo são direcionadas para arquivos de salvamento em nuvens, poupando espaço na memória do próprio aparelho ou da máquina que vai receber o arquivo para exibição.

Fonte: O Globo

Apoiadores