Como o planejamento pode ajudar a sua startup

Larissa Borges
janeiro11/ 2017

Para criar uma startup, não basta ter apenas uma ideia diferente e inovadora. É preciso planejamento. Muitas vezes, os empreendedores esquecem da parte da gestão da startup, o que pode prejudicar o seu desenvolvimento. Um planejamento bem estruturado pode ajudar a monetizar o negócio e alcançar o sucesso mais rápido. Por isso, conversamos com o consultor de estratégia empresarial da Sias Consultoria e Gestão, Vinícius Souza, que explica melhor sobre a importância de um business plan e dá dicas de como coloca-lo em prática. Confira:

 

Minas Inova (MI) – Qual a importância do planejamento para as startups?

Vinícius Souza (VN) – As startups sempre procuram ter em seu core business um modelo de negócio que está baseado em tecnologia, normalmente resolvendo algum problema cotidiano ou mercadológico de forma inovadora e prática. Diante dessa premissa de desenvolvimento e foco na inovação, muitas vezes foca-se apenas em dar maturidade à plataforma tecnológica e não às questões gerenciais, que são essenciais a qualquer tipo de negócio, seja ele de base tecnológica e inovadora ou não. O planejamento do negócio, focado principalmente na mensuração de mercado, e no levantamento de dados que permeiem as vendas e retorno financeiro, chamada de monetização e escala de produto, são essenciais para qualquer planejamento inicial do negócio.

 

MI – Como começar esse planejamento? Dê algumas dicas para organizar as ideias.

VN – O primeiro passo é ter sua ideia bem formatada. É comum visualizarmos empreendedores que são uma fonte inesgotável de ideias, mas possuem baixa capacidade de realização e concretização das mesmas. Definir seu core business de forma assertiva, faz com que seu planejamento e, futuramente, sua empresa sejam eficazes e que você não perca o foco no meio do caminho. Em seguida, desenvolver o estudo de mercado, focado principalmente em mercado consumidor, mercado concorrente (direto e indireto) e mercado fornecedor são passos importantes para embasar o business plan e mensurar questões inerentes à venda, concorrência e suprimentos (principalmente se algum deles for crítico para seu negócio). Constantemente visualizamos ainda, empreendedores que desenvolvem suas startups, mas condicionam toda a tecnologia e conhecimento intelectual da empresa à ele próprio, criando uma plataforma funcional somente à partir da operacionalização do mesmo. Desta forma o empreendedor fica somente focado na gestão operacional, e não em questões estratégicas que são vitais para o crescimento do negócio, como captação de investimentos, crescimento da cadeia de fornecimento em larga escala, planejamento estratégico, dentre outras ações.

 

MI – Quais os principais desafios para planejar um negócio?

VN – Todo início de negócio é difícil. Vivemos em um momento de incertezas políticas, econômicas, financeiras e culturais. Isso influencia no desenvolvimento do negócio. Diversas políticas e pacotes governamentais podem afetar positiva ou negativamente o novo negócio. Todo negócio inicial sofre a escassez de recurso, salvo se recebe um aporte de investimento, o que em ideias e empresas incipientes é incomum no mercado atual. Além disso, as instituições financeiras querem entender como funciona o negócio, e como ele se comportará para aprovar linhas de crédito para desenvolvimento, contratação de pessoas, pesquisa e desenvolvimento, maior escala de vendas de produtos, dentre outros. O planejamento mercadológico, diante de um business plan é o maior desafio que encontramos em um negócio, pois dimensionar o que seu mercado quer, através da necessidade percebida, formulando assim, uma previsão de vendas, requer pesquisas de mercado e conceitos bastantes assertivas. Neste momento, diante da escassez de recurso inicial comum entre os empreendedores, não há outro jeito, senão ir à campo e realizar a pesquisa de mercado com clientes em potencial e clientes-alvo. Diversos negócios tem potencial fantástico, mas o mercado não absorve a ideia, simplesmente porque não entende a necessidade do produto.

 

MI – Como o planejamento pode ajudar na monetização do negócio?

VN- O planejamento inicial de uma startup, requer antes de tudo, seriedade e disciplina. Desenvolver apenas para falar que tem um business plan, ou para apresentar em um pitch para captação de investimento, não levará a startup à monetização. A estrutura do business plan segue um cronograma focado em Mercado, Operacional e Financeiro. Desenvolvendo todas as etapas de forma coerente, tomando os devidos cuidados no correto levantamento de mercado, dimensionamento de demanda, e oferecimento de produto diante da necessidade, planejamento de atendimento da demanda, desenvolver a gestão de processo em relação a tecnologia ou processo empresarial, a gestão do conhecimento do negócio, a capacitação em âmbito administrativo dos empreendedores e principalmente o correto planejamento de recursos, a locação de investimentos e cálculo de retornos, são formas de se iniciar um negócio com maior potencial de motorização.

 

MI – Além do planejamento, quais outras etapas são importantes para os empreendedores estruturarem melhor o seu negócio?

VN- Entender que o planejamento é vivo. Não há planejamento que seja rígido. O mercado muda, a política muda, as leis mudam. Entendendo que a estrutura do planejamento pode mudar ao longo do tempo, nos tornamos menos reféns de algo engessado. É importante, porém, medir os cenários para que, caso haja, mudanças de planejamento, já haja planos contingenciais ao longo do caminho. Seguir o planejamento bem feito também é uma das dicas relacionadas ao business plan. Estabelecer metas constantemente, revisão o plano estratégico da empresa ao menos semestralmente e acompanhar os indicadores dos negócios, são outras ações que podem fazer com que se tenha diagnóstico em relação ao negócio.

 

MI – Planejar é importante para os processos de inovação de um negócio? Por quê?

VN- Não só importante como essencial. Muitas pessoas acreditam que o processo de criatividade e inovação só é concebido ao acaso, com insights, sem planejamento. Mas o planejamento auxilia justamente a clarear uma ideia, a estrutura um negócio e uma solução de modo a escalar esse produto ou serviço. Somente com um planejamento, o negócio terá estrutura para crescimento. A concepção da inovação deve estar associada ao planejamento, e a impulsividade deve ser freada com ações e planos mensurando os riscos ou impactos da implementação total ou parcial da ideia.

 

 

Apoiadores